MURAL


Dia 15 de Dezembro - Ofício do Dia *  Cor Roxa

Eclo 48,1-4.9-11  *  Sl79  *  Mt 17,10-13


O significado e a simbologia da Coroa do Advento: "o primeiro anúncio do Natal"

"Esperando alguém, que já vem, que já vem!, esta frase pertencente à música Pedro pedreiro, mostra ou apresenta a mística essencial do Advento, a espera e a ânsia do encontro de Alguém que vem para dar um sentido pleno à nossa vida", destaca o bispo de Campos (RJ), dom Roberto Francisco Ferreria Paz, em artigo publicado no portal da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB).

E é neste clima de expectativa da "chegada" que se vivencia um dos mais significativos momentos litúrgicos da Igreja, a celebração do Natal que festeja o nascimento do menino Jesus em Belém. Mas antes disso, durante os quatro domingos que antecedem a comemoração da vinda do Filho de Deus entre os homens, a liturgia convida os fiéis a se prepararem. O tempo litúrgico do Advento é cheio de simbolismo e cada um dos seus elementos tem um significado.

Divulgação

Um desses elementos é a Coroa do Advento que tem sua forma circular - simbolizando a eternidade de Deus, que não possui início nem fim; feita de ramos verdes - que significa a continuidade da vida, a esperança; com 4 velas: geralmente, três velas são roxas e uma é rosa e fitas vermelhas, a coroa do Advento é considerada, tradicionalmente, como "o primeiro anúncio do Natal".

De acordo com o portal Aleteia, embora possam ser usadas velas brancas, o tradicional é usar três velas roxas e uma rosa. A cor roxa é a própria do Advento e recorda a vigilância na espera do Cristo que vem. Já a vela rosa deve ser acesa no terceiro domingo do Advento, chamado de "Domingo Gaudete". A palavra "gaudete", em latim, significa "alegrai-vos".

Ainda segundo o portal, essa vela procura evocar a alegria da chegada à metade do Advento, o que recorda que o Natal já está bem próximo. Além disso, cada uma delas tem um significado:

1° Encarnação, Jesus Histórico;
2° Jesus nos pobres e necessitados;
3° Jesus nos Sacramentos;
4° Parusia: Segunda vinda de Jesus.

A Comissão Episcopal Pastoral para a Liturgia da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), explica que a Coroa do Advento é um sinal rico de significado durante o Tempo Litúrgico do Advento. Segundo a Comissão, embora não seja símbolo da liturgia oficial da Igreja Católica, como se vê a partir de alguns relatos que apresentam sua origem na tradição pagã europeia, particularmente germânica, que durante o inverno acendia velas para representar o fogo do deus sol, a fim de que voltasse logo com seu fogo e calor, seu uso foi cristianizado pela devoção popular cristã e vem, cada vez mais, sendo acolhido em nossas comunidades, capelas e igrejas paroquiais. Tornou-se, além disto, um lindo sinal que muitas famílias vêm incorporando na ornamentação de suas casas, em preparação para a Solenidade do Natal de Jesus.

Para dom Roberto Ferreria Paz, "o mistério cristão, que celebramos no Natal o Deus Emanuel, o Deus Conosco, que vem armar a sua tenda no meio de nós, desperta em nossos corações o desejo de amar e de acolher o novo que está nascendo, as surpresas de um Deus que não se repete, e que abre inusitados caminhos de aliança e de paz".

A oração de bênção da coroa do Advento:

Senhor,
a terra se alegra nestes dias,
e tua Igreja transborda de gozo
diante do teu Filho, nosso Senhor,
que chega como luz esplendorosa,
para iluminar os que jazem nas trevas
da ignorância, da dor e do pecado.

Repleto de esperança em tua vinda,
teu povo preparou esta coroa
e a enfeitou com carinho.

Neste tempo de Advento,
de preparação para a vinda de Jesus,
nós te pedimos, Senhor, que,
enquanto cresce a cada dia
o esplendor desta coroa,
com novas luzes,
que Tu nos ilumines
com o esplendor daquele que,
por ser a Luz do mundo,
iluminará toda escuridão.
Ele que vive e reina
pelos séculos sem fim.

Amém.

Fonte: Sítio da CNBB



NOMEADO NOVO BISPO DE TEÓFILO OTONI - MG

Dom Messias dos Reis Silveira

A Nunciatura Apostólica no Brasil comunicou nesta quarta-feira, 14, a decisão do papa Francisco em nomear para a vacante diocese de Teófilo Otoni (MG), dom Messias dos Reis Silveira, transferindo-o da sede episcopal de Uruaçu (GO). A notícia foi publicada no jornal L'Osservatore Romano, às 12 horas de Roma.

Dom Messias dos Reis Silveira nasceu em 25 de dezembro de 1958 em Passos, Guaxupé, no estado de Minas Gerais. Realizou seus estudos filosóficos na Pontifícia Universidade Católica de Campinas e os estudos teológicos no Centro de Estudo da Arquidiocese de Ribeirão Preto. Foi ordenado sacerdote em 11 de agosto de 1992, e foi pároco da catedral "Nossa Senhora das Dores", na diocese de Guaxupé.

Foi o primeiro diretor pedagógico e formador do Seminário São José, do qual foi reitor. Também foi reitor da Casa de Formação Presbiteral "Nossa Senhora das Dores"; membro do Conselho Presbiteral; membro do Colégio de Consultores e do Conselho de Formação Presbiteral.

Dom Messias dos Reis Silveira foi nomeado pelo papa Bento XVI para a diocese de Uruaçu (GO) em 2007, sucedendo a dom José da Silva Chaves cuja renúncia ao governo pastoral da diocese foi aceita por limite de idade. No regional Centro-Oeste da CNBB, além de ser presidente ofereceu sua contribuição como bispo referencial da Comissão Pastoral da Terra (CPT) e, atualmente, é bispo referencial da Comunicação.

Agora, com a nova missão assumirá a diocese de Teófilo Otoni (MG), até então vacante desde a saída de dom Aloísio Jorge Pena Vitral, em 2017.