IPDM - IGREJA POVO DE DEUS EM MOVIMENTO

IPDM- Igreja Povo de Deus em Movimento

É preciso resgatar o memorial libertário da fé cristã, sempre mais «olhar para trás» e ver a caminhada histórica, mas e - ao mesmo tempo - «olhar para frente» e redescobrir no conjunto da caminhada do Povo de Deus, as experiências acumuladas pelos protagonistas em sua pluralidade. Os desafios do mundo contemporâneo devem ser enfrentados com realismo e profetismo. A única garantia de futuro é a coragem de renovação.

Irmão/a: dois textos sobre o 13º Inter-Eclesial de CEB's.

O primeiro, do representante/delegado da nossa Paróquia: Celso Loredo.
O segundo, a belíssima Carta dos participantes ao PP. Francisco.
São textos breves e, você vai gostar e terá mais o que pensar daqui para a frente...rs.
abraço,
pe. paulo.


Bom dia! Paz e Bem para você e a todos.
Desta vez, não conseguirei fazer um relatório como o fiz no encontro estadual.
Quero em primeiro lugar agradecer a você e à Paróquia pelo empenho em me proporcionar esta oportunidade ímpar em minha vida.
Fui para Juazeiro do Norte, levando toda uma bagagem missionária adquirida aquí em nossa paróquia e regressei com outra bagagem umas cem vezes maior.
Levei " os gritos" da cidade grande, uma vez que no meu "chapéu", de 80 pessoas ,eu era o único, os demais eram do interior ou do campo. Dei relatos das nossas favelas , do nosso sistema de saúde, das nossas escolas, do nosso descontentamento sobre a forma como está sendo construído o "Itaquerão", das injustiças sociais que aqui ocorrem.
Levei para eles também o nosso jeito profético de conduzir o Evangélho de Cristo, contei para eles sobre o grande profeta que você Pe. Paulo é, pois, aqui apesar de não ter CEB tem todo o pastoreamento missionário nela contido, com buscas em melhorias sociais, das mais diversas formas, e é claro não deixei de falar sobre a nossa IPDM, levei 10 cópias do DVD de abertura com D. Angélico, o qual dispensa comentários, e coloquei nas mãos de certos líderes, escolhidos a dedo, pois liderança é o que mais tinha neste encontro.
Enfim quero te dizer que fomos muito bem tratados, a cidade, até por ser uma cidade acostumada a esse tipo de evento, e bem maiores que ele, é muito receptiva, pessoas simples e também muito bem de vida com um espírito hospitaleiro que eu nunca vi. Todos dedicados aos conselhos de Pe. Cícero "acolhei sempre bem aos que por aqui passarem", Em todas as casas um pequeno altar com as imagens de Sagrado Coração de Jesus e Maria, em um lugar reservado só para oração, nas famílias que não têm salários advindas de emprego, todas tem uma oficina em casa para confeccionar os mais diversos objetos artesanais, inclusive em ouro.
Vou ficando por aqui, as demais informações levarei para você pessoalmente, pois antes mesmo da bênção final na Basílica de Nossa Senhora das Dores, já saiu uma publicação com um apanhado geral do encontro. Paz e Bem e até breve! E até Londrina daqui a 4 anos!!!
Celso Loredo


CARTA DO 13º INTERECLESIAL DAS CEBs AO PAPA FRANCISCO
11/01/2014 - notícias - Criado por: Secretariado do 13ª Inter eclesial.
Querido irmão, bispo de Roma e pastor primaz da unidade, Papa Francisco,
Nós, cristãos e cristãs, leigos das comunidades eclesiais de base, agentes de pastoral, religiosos/as, diáconos, padres e bispos, assim como irmãos de Igrejas evangélicas e de outras tradições religiosas. Também tivemos conosco nesse encontro representantes de povos indígenas, quilombolas e ainda irmãos e irmãs, vindos de outros países da América Latina e Caribe, assim como de outros continentes. Todos nós que participamos do 13º Encontro inter eclesial das comunidades eclesiais de base queremos expressar ao senhor nosso agradecimento pela bela e profunda carta que nos enviou e foi lida no início desse encontro. Sua carta nos chegou como uma luz a iluminar o caminho, reacendendo em nós a esperança numa Igreja, Povo de Deus.
Aproveitamos a oportunidade para nos unir ao seu esforço por renovar as Igrejas da comunhão católico-romana, de acordo com a teologia e a espiritualidade do Concílio Vaticano II, relidas e atualizadas pelas necessidades do mundo atual e pela urgência de que nós, cristãos, escutemos "o que o Espírito diz hoje às Igrejas" (Cf. Ap 2, 7).
Percebemos que a maioria da humanidade acolhe com gratidão o seu testemunho de homem de profunda simplicidade e que se revela discípulo de Jesus na linha do evangelho. Nós lhe agradecemos por fazer do ministério papal uma profecia contra a economia de exclusão, que hoje domina o mundo e defender os migrantes e clandestinos pobres da África e de outros continentes. Igualmente lhe agradecemos por reconhecer o papel da mulher na caminhada eclesial e esperamos que essa reflexão seja aprofundada.
Aqui em Juazeiro do Norte, CE, diocese de Crato, as comunidades eclesiais de base reafirmam sua vocação, no jeito de ser Igreja das primeiras comunidades e também no espírito das missões populares e das casas de caridade do Padre Ibiapina, do padre Cícero Romão Batista, do leigo José Lourenço, assim como de tantas mulheres santas como Maria Araújo, irmãos e irmãs que nos precederam nesse caminho de sermos Igreja dos pobres e com os pobres, cebs romeiras do campo e da cidade, na comunhão com a Mãe Terra e toda a natureza. Aqui, acolhemos e nos solidarizamos com os povos indígenas, ameaçados no seu direito à posse de suas terras ancestrais e todos os dias vítimas de violência e até de assassinato. Também nos impressionou o relato de extermínio de jovens pobres e negros, em várias regiões do nosso país. E nos solidarizamos com a luta e resistência dos quilombolas e do povo lavrador, ameaçados pelos grandes projetos do Capitalismo depredador do ambiente e injusto para com a maioria da humanidade.
Entre suas palavras e gestos, algo que nos toca muito de perto é o fato do senhor se apresentar como bispo de Roma e primaz da unidade das Igrejas. Essa atitude básica permitirá retomar o reconhecimento que o Concílio Vaticano II fez da plena eclesialidade das Igrejas locais e encontrar a profunda verdade que esse nosso encontro quer expressar, ao se chamar "inter eclesial" de Cebs: um encontro de igrejas locais, reunidas a partir das comunidades eclesiais de base e desse modo da Igreja ser. Conte conosco nesse caminho e que Deus o ilumine e o fortaleça sempre.
Despedimos, e nos comprometemos de sempre orar pelo senhor e por todas as suas intenções. Pedimos sua bênção apostólica e nos colocamos à sua disposição para vivermos juntos a justiça e a profecia a serviço da vida. Na festa do Batismo de Jesus de 2014.
13º Encontro Inter eclesial das CEBs, Juazeiro do Norte, Ceará, 11 de janeiro de 2014.

IPDM - IGREJA - POVO DE DEUS EM MOVIMENTO !

Então, seguindo melhor os passos, vi no Facebook esta linda programação, já realizada, do nosso estimado Padre Paulo Sérgio Bezerra:

Paróquia N. Sra. do Carmo - Homilia no dia dos pais 11 agosto 2013 -

Pe. Paulo Sérgio Bezerra
I - "Onde está o teu tesouro aí estará também teu coração"
Saudação aos pais sem reducionismo biológico, no entanto, sem prescindir do biológico:
1.1. Pais do "sacramento de Jesus", pelo sangue e pelo sêmen geraram filhos concebidos nas relações interpessoais feitas do prazer da aliança desejada, querida e assumida... "onde está teu tesouro aí estará também teu coração"
1.2. Pais desejosos de mais filhos que viram-se detidos pelos condicionamentos naturais resultantes em abortos espontâneos... "onde está teu tesouro aí estará também teu coração"1.3. Pais testemunhas do crescimento dos filhos: no vigor da alma e do corpo acompanharam e foram aprendendo, com o desenvolvimento dos filhos, a contemplá-los como autônomos e não mais dependentes de sua paternidade..."onde está teu tesouro aí estará também teu coração"
1.4. Pais do acaso da paixão alcoolizada ou da fuga furtiva de relacionamentos desaprovados. Experimentaram sem se responsabilizarem pelo fruto do amor perdido em momentos que já se foram..."onde está teu tesouro aí estará também teu coração"
1.5. Pais reduzidos a só pais: obrigados ao amor sem prazer de esposas que viraram só mães e esporadicamente reconhecidos por filhos/as que os minimizam a "provedores do lar"..."onde está teu tesouro aí estará também teu coração"
1.6. Pais da boemia que nos bares e bailes da vida afogam/desafogam as frustrações do desencanto do casamento engolido pela calculista rotina dos gestos e palavras repetidos no mesmo tom de um acorde só..."onde está teu tesouro aí estará também teu coração"
1.7. Pais suportados por sogras, noras e genros, cunhados/as cuja indiferença do clã os decretou intrusos do fechado círculo sanguíneo, moldura de santuários tornados freezers de sangue cujas paredes são "muros de lamentações"..."onde está teu tesouro aí estará também teu coração"
1.8. Pais satisfeitos com a maturidade biológica em curva descendente que integram no seu ser as limitações da existência humana "onde está teu tesouro aí estará também teu coração"
II - "Bote fé - "Futuro certo que dá novo impulso e nova força à vida de todos os dias"
Saudação aos pais para além do biológico e do DNA:
2.1. Pais não biológicos: sem terem procriado distribuem gestos de cuidado e de proteção com a vida de todos os seres... "Bote fé"!.
2.2. Pais da polivalente expressão do ser: sem procriarem e sem exames de DNA marcam o caminhar da humanidade pela engenharia da vida que se prolonga; pela criatividade artística da expressão do DNA da alma; pela inimaginável geração espiritual de valores... "Bote fé!"
2.3. Pais ousados do futuro: "eunucos de nascimento", "eunucos pela maldade humana", "eunucos por opção" - depois do "ponto final" da produção biológica, colocam a vírgula provocativa do que vem depois... "Bote fé!"
2.4. Pais falecidos, em suspensão da existência precária do ser, o legado deixado atrás de si exprime com "três pontos" a direção incerta do que vem depois... "Bote fé!".
2.5. Pais das bem-aventuranças de Jesus de Nazaré: co-criadores do Reino que é mais do que comida e bebida: "Bote fé!"
Vocês protagonizam o "Futuro certo que dá novo impulso e nova força à vida de todos os dias"!
III - "Os santos participariam solidariamente dos mesmos bens e dos mesmos perigos, enquanto entoavam antecipadamente os cânticos de seus pais".
Ação de graças que nasce do "pão e do vinho" - conclusão
3.1. No pão da eucaristia de Jesus e no vinho da eucaristia de Jesus, ação de graças por você, irmão e amigo! A leveza do seu existir masculino/paterno é transubstanciada em aliança de um novo e eterno testamento - o mandamento maior do amor!
3.2. Falo aqui de instinto, de genitalidade, de sexualidade, de corporeidade, de animalidade, de humanidade, de afetividade, de comunhão, de pão e de vinho, de eucaristia, de Deus e dos homens e mulheres...
3.3. Falo de comunhão e solidão; falo de comunhão com solidão e de solidão sem comunhão; faço da condição humana...
3.4. Terminemos essa "conversa familiar" com uma vírgula: não sabemos que vem depois. Ou, o que vem depois, quem sabe, talvez, dependa do que alguém propuser...
A geração da vida abre-se, de novo, ao inédito, ao acaso, à graça, ao dom... Ao outro/a, ao Grande Outro. Masculino e feminino se integram, se desintegram; se entregam e, de novo, se integram/desintegram...PRA ONDE NOS LEVARÃO? EU NÃO SEI! VAMOS? VAMOS!
3.5. "Bote fé!"

Pe. Paulo Bezerra é ex seminarista Redentorista também!

COMENTÁRIOS:

Que lindo texto...fiquei encantado com a beleza poética, dialética, hermenêutica e por que não dizer quase teológica-bíblica da reflexão de um padre-pai !Com leveza,sobriedade e realismo ele estampou o rosto da paternidade. É o mesmo que penso acerca disto...Obrigado pela comunhão de pensamento !

                                                                   Pe Gilmar -