“Uma missão de todos”

12/06/2015 10:03

nº 1449

Artigo

Pe. Luiz Carlos de Oliveira

Redentorista

“Uma missão de todos”

 

1585. Na Verdade da Fé

              Ser missionário é a melhor contribuição para a promoção do ser humano. Não é só um transmissor de verdades eternas e convite à conversão. Missionário é todo aquele que conduz para o bem, a justiça e o amor. Para quem crê em Cristo, ser missionário é também anunciar Aquele que dá o sentido pleno à vida e introduz na comunhão com o Pai e por isso, na comunhão com as outras pessoas, não só com os “irmãos”.  Isso vai além de um simples viver bem. Evangelizar é uma necessidade pessoal, pois “em todos os batizados atua a força santificadora do Espírito que impele a evangelizar” (EG 119). Ninguém é, por princípio, incapacitado para o anúncio do Evangelho. Temos uma certeza de fé: “O povo de Deus é santo em virtude desta unção que o torna infalível. Sabemos que o povo de Deus não pode enganar-se, mesmo que não saiba explicar”. Esta é uma das razões porque o ensinamento da fé permanece inalterado, mesmo sofrendo as divisões e as tormentas da história. “O Espírito Santo guia-o na verdade e o conduz à salvação” (LG 12). O conjunto dos fiéis não erra. A isso chamamos de instinto da fé (Sensus fidei). O povo de Deus não é um rebanho ignorante sem rumo. O Papa traz uma bela orientação: “A presença do Espírito confere aos cristãos certa conaturalidade com as realidades divinas e uma sabedoria que lhes permitem captá-las intuitivamente, embora, não possua os meios adequados para expressá-las com precisão” (EG 119). Isso quer dizer que o cristão tem essa sabedoria, mesmo sem saber explicar. Por isso é capaz de conduzir-se e conduzir sua família e a sociedade no caminho do bem. O bem é natural no ser humano. Evangelizar, mais que um dever, é um direito, pois todos são responsáveis pela salvação de todos, não só padres e bispos.

1586. Evangelizadores pelo Batismo

              A razão da ação missionária está no Batismo, como ensina o Papa: “Em virtude do Batismo recebido, cada membro do povo de Deus tornou-se discípulo missionário” (EG 120). Missionários evangelizadores não são apenas alguns preparados e o povo só recebendo o anúncio. Cada batizado tem o compromisso e a condição de ser anunciador. Vemos que pessoas simples são capazes de educar sua família e influir no ambiente de modo positivo. A razão dessa capacidade é a própria experiência que fez do amor de Deus que salva. O Papa insiste que não é preciso ficar esperando muitas lições. O exemplo já é dado pelos primeiros discípulos. Eles passaram um tempo com Jesus e logo comunicam a Pedro: “Encontramos o Messias” (Jo 1,41). A samaritana, logo após o primeiro diálogo com Jesus, tornou-se missionária: E muitos samaritanos acreditaram em Jesus “devido às palavras da mulher” (Jo 4, 39). Paulo inicia a pregar logo depois de sua conversão (At 9,20). Não devemos dizer discípulos e missionários, mas discípulos missionários como uma única realidade, diz o Papa. Quem de verdade crê, anuncia. O Batismo é a força que move ao anúncio.

1587. Deixar-se evangelizar

              A própria formação vem do desejo de evangelizar sempre mais e melhor. O segredo da formação para ser um evangelizador está na capacidade de querer ser sempre evangelizado. Como se diz: ninguém é tão ignorante que não possa nos ensinar; e ninguém é tão sábio que não tenha o que aprender. Quanto mais sabemos, mais temos consciência de que não sabemos tudo. A maior sabedoria é querer sempre aprender. Por isso, como diz o Papa, “Todos devemos deixar que os outros nos evangelizem sempre... e encontrar  um modo de comunicar Jesus que corresponda à situação em que vivemos”(EG 121). O povo de Deus é evangelizador e sempre discípulo não só para seguir, mas também para aprender.

Voltar