Conhecendo a Bíblia: a oferta da viúva

11/02/2015 00:04

 

Conhecendo a Bíblia compreende uma série de artigos sobre a Palavra de Deus. 
Em cada artigo será apresentada uma passagem bíblica e uma reflexão.

EVANGELHO - Lc 21, 1-4 

1 Levantando os olhos, viu Jesus os ricos que deixavam as suas ofertas no cofre do templo. 2 Viu também uma viúva pobrezinha deixar duas pequeninas moedas, 3 e disse: Em verdade vos digo: esta pobre viúva pôs mais do que os outros. 4 Pois todos aqueles lançaram nas ofertas de Deus o que lhes sobra; esta, porém, deu, da sua pobreza, tudo o que lhe restava para o sustento. 

A oferta da viúva

REFLEXÃO 

Esta passagem do Evangelho, ainda que não pareça, é muito complicada de ser entendida. Como vocês todos já sabem, caros leitores, os Evangelhos foram escritos muitos anos depois da morte e ressurreição de Jesus. Muitas palavras de Jesus foram guardadas na memória do povo, que as recitava sempre para não se esquecer. Porém, quando os redatores dos Evangelhos começaram a escrever, muitas palavras do Mestre foram adaptadas. Mesmo que não concordemos com essa afirmação, essa é a realidade. Basta olhar nas diferenças evidentes que existem entre os quatro Evangelhos, escritos em tempos diferentes, e por autores diversos, e para variados tipos de pessoas e culturas.

Depois dessa introdução, podemos analisar esse texto. Jesus admira a doação da viúva, que deposita tudo o que possui no cofre do templo. Entretanto, sabemos que havia muita exploração por parte daqueles que cuidavam das oferendas do templo. Além de pagar pesados tributos ao Império Romano (tanto quanto pagamos de imposto hoje), os pobres de Israel tinham de dar uma contribuição ao templo. A oferta ou o dízimo deveriam ser pagos sem falta; essa não é a ideia que temos de dízimo nos dias de hoje. Ao menos não deveria ser! E a situação de uma viúva era ainda pior, é isso que veremos adiante.

A viúva (em grego: χήρα - chéra) era um dos seres mais frágeis da sociedade israelita. Numa realidade machista, a mulher era dependente do homem, pois esse provia a casa dos bens necessários. A mulher deveria ser uma boa e obediente esposa. Quando o marido falecia, se não houvesse a figura de outro homem em sua vida (cunhado, filho, pai), a mulher ficava totalmente desamparada, pois perdia todos os "direitos" que a vida patriarcal lhe oferecia. Assim também eram os órfãos e os estrangeiros. Por isso, a exploração da viúva seria um grande pecado.

Talvez o evangelista quisesse mostrar o quanto Jesus se preocupava com a doação total de seus discípulos, que não deveriam imitar aqueles ricos. O sonho do Mestre era que os seus seguidores pudessem levar a sua mensagem de amor a todos os cantos da Terra, e isso exigiria grande abnegação, - assim como fez a viúva. Mas é certo que Jesus reprovava a exploração dos pobres que os dirigentes do templo faziam. E é evidente que Jesus muitas vezes questionou e foi contra as irregularidades que aconteciam na casa de Deus.

Que nós, cristãos apaixonados por Jesus, possamos dar aquilo que nos é essencial. Entregar a Deus a nossa própria vida. E isso se faz de várias formas: lutando pelas causas sociais; resgatando os sofredores de suas mordaças; vivendo com alegria o presente de Deus, que é a nossa vida; e amando os seres humanos que fazem parte de nossa história. Ainda que a viúva não seja o exemplo a ser seguido pelos pobres, que já são suficientemente explorados, temos de beber de um significado alternativo da leitura de hoje: a missão de Jesus exige de nós muita abnegação! Doação total de nossos dons para a construção do Reino de Deus.    

Padre Queimado articulista colunista 

Voltar