Atualização das Diretrizes Gerais da Igreja no Brasil

28/08/2014 17:05

No segundo dia de reunião do Conselho Episcopal Pastoral (Consep) ampliado, na sede da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), os bispos ouviram a palestra do padre Mário de França Miranda, doutor em Teologia e professor da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. A reunião teve início ontem, 26, e prosseguirá até sexta, 29, na sede da Conferência, em Brasília.

            Padre Mário retomou as principais linhas da exortação apostólica do papa Francisco, Evangelli Gaudium, confrontando o discurso do pontífice com as Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil. O palestrante procurou apontar as mudanças que estão acontecendo na Igreja atualmente, sobretudo a partir do pontificado de Francisco, suas orientações e a forma como ele as tem acolhido. O sacerdote falou sobre uma presença maior do Espírito Santo na vida da Igreja e sobre a sinodalidade, ou seja, uma Igreja com mais comunhão e participação de todos.
            Retomando os discursos de Francisco, padre Mário recorda a ideia da opção pelos pobres, mas em uma ótica de ações concretas como insiste o papa. “Lembrando que o termo ‘pobres’ aqui é uma palavra genérica, para todos os que estão do pior lado de uma sociedade que produz desigualdades”, alertou.
            Para o futuro da Igreja, o teólogo defende uma participação ainda maior do laicato. “Não vejo saída para a Igreja a não ser por meio da força dos leigos e leigas na obra da Evangelização. Creio que daqui para frente é impossível uma Evangelização eficaz sem eles. A sociedade é muito complexa, com setores até desconhecidos por responsáveis religiosos, mas onde os leigos vivem sua fé e podem ser agentes dessa Evangelização”, declarou o padre, que defendeu, em seguida, uma entidade menos clerical e mais participativa.
            Ainda na opinião do sacerdote, a missão é o grande sentido da Igreja. “Ser cristão é, sobretudo, estar ativo na obra da Evangelização. Você passa a trabalhar nessa obra a partir do momento do batismo. Essa consciência havia desaparecido um pouco, mas hoje está sendo fortemente retomada”. Segundo padre Mário, a Igreja está vivendo um processo de recuperação, para corrigir essa falha de mais de mil anos, desde o Concílio Vaticano II, para retomar o que há de mais autêntico do cristianismo. “Por isso, o futuro é uma época de grande oportunidade e fecundidade”, vislumbra.
            O sacerdote acredita que a CNBB tem procurado responder aos pedidos do papa e que a América Latina, de modo geral, dá não apenas um forte recado ao resto do mundo, mas faz um convite para a caminhada da Igreja, por uma religião mais concreta e mais sensível ao sofrimento humano. “Às vezes o contexto europeu limita a compreensão do que se passa em outras regiões. Isso é normal, por conta da nossa chave de leitura. Mas o papa é ousado, diz ‘para que não tenhamos medo, sermos criativo’, e isso tem um peso enorme”, conclui.
 
(Fonte: CNBB)

Voltar