Província de Goiás

O bispo de Goiás, D. Eduardo Duarte da Silva (1852-1924), em 1894, pedia para que os redentoristas viessem trabalhar no Centro-oeste Brasileiro, no Santuário da Santíssima Trindade. 

Foto de: A12

Redentoristas de Goiás

Os missionários bávaros desembarcaram ao Rio de Janeiro, em outubro, depois de passarem por Aparecida-SP, seguiu viagem de trem até Uberaba-MG, e a cavalo até C

ampinas-GO (atual Goiânia), onde chegaram em 12 de dezembro de 1894, quando o sonho de D. Duarte tornou-se realidade.

E os pioneiros eram os padres Gebardo Wiggermann, João Batista da Mata e Miguel Siebler, e os Irmãos Norberto, Gebardo, Uldarico e Floriano.     

Desde o alvorecer do século XX, os redentoristas muito colaboraram com o progresso da Região Central do Brasil, ora pelo zelo pastoral, ora pelas orientações agrícolas e técnicas de construções.  

A eles também couberam as manufaturas de vinho, marcenaria, talhas nas igrejas, escultura e pintura, as primeiras instalações elétricas e telefônicas.

 Em principio, os missionários trabalharam no Santuário do Divino Pai Eterno e no atendimento da região. Em Goiás, também introduziram a devoção Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, há mais de um século, onde, hoje a Novena é concorrida por milhares de devotos, semanalmente.No ano de 1944, os missionários começaram a Casa de formação para os futuros redentoristas para assim dar continuidade em sua Congregação Religiosa.

E prosseguir suas atividades nos Estados de Goiás, Distrito Federal, Mato Grosso e Tocantins, onde atuam nas pastorais ordinárias (paróquias) e extraordinárias, nos santuários, missões populares e nos meios de comunicação modernos.  Nesta Unidade, o padre Pelágio Sauter CSsR (1878-1961), bávaro, missionário inculturado, servo de Deus, tornou-se um ícone redentorista respeitado e respeitável. 

Fonte: Ir. José Mauro Maciel CSsR